Janeiro 26 2012

 

 

 

 

 

 

Uma das mais bonitas aldeias da zona de Azeitão (Setúbal) é Vila Fresca de Azeitão.

Ainda dentro do Parque Natural da Serra da Arrábida, rodeada de uma beleza natural exuberante, e com diversos pontos de interesse a visitar. Como exemplos disso a histórica Quinta da Bacalhoa (XV) ou a Igreja de São Simão (XVI).

Mas percorrer calmamente as suas ruas pacatas, com flores que abraçam muitas das suas casas, é um prazer que aconselho.

Ou não fosse um dos meus locais de infância, onde tenho parte das minhas raízes maternas.

publicado por blackcrowes às 14:21
Tags:

Janeiro 12 2012

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O castelo de Palmela eleva-se a uma altitude de 238 metros, sobre um último contraforte da Serra da Arrábida, dominando toda a região circunvizinha.

“O primeiro aspecto do castelo é de mistério e isolamento. Como o caminho de acesso vai atravessando as muralhas arruinadas, o ruído da água tombando em cisternas profundas, a imaginação é obrigada a recuar aos tempos longínquos das lutas dos cristãos. Quando se principia a subir, pela escada estreita de degraus muito sulcados, dá calafrios a ideia dos combates sem misericórdia que ali se deveriam ter travado, já no último desespero, quando a torre de menagem era assaltada.

Da torre o panorama é um deslumbramento para todos os lados do horizonte. A luz é um assombro: não sabe a gente como há tanta no mundo, e a paisagem é assim de relance com todos os reflexos que se agitam e confundem. Mais intranquila toma a ansiedade de ver onde acaba, se acaba: manchas enormes do verde escuro da pinheirada, espelhos faulhantes de águas a andar, nódoas de lagunas paradas, um montão de reflexos brancos, de cristais, de casario, povoações inteiras, cidades.

Para o lado da Arrábida há terras vermelhas, dum vermelho mais vivo que a cor das velas vermelhas que cortam o estuário azul do Sado. Sobre o Norte uma planura enorme, com esse tom verde escuro e denso, que as terras húmidas e quentes dão à vegetação e aqui e ali um grupo branco de casas. Depois o Tejo, azul translúcido, quase névoa, uma margem branca com reflexos de cristais e mármores, que é Lisboa, e para além o perfil recortado de Sintra.

Setúbal vê-se com nitidez, até o recorte dos edifícios, os alinhamentos das ruas e desenhos das praças. O Sado recorta-se alastrando primeiro amplamente de pois em manchas de reflexos límpidos.” – No primeiro guia de Portugal de 1924 - Gulbenkian

publicado por blackcrowes às 12:14
Tags:

"O fim de uma viagem é apenas o começo doutra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na Primavera o que se vira no Verão, ver de dia o que se viu de noite. É preciso recomeçar a viagem. Sempre." - Saramago
mais sobre mim
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


pesquisar
 
Visitas desde Fevereiro 2011
free counters
subscrever feeds
blogs SAPO