Setembro 24 2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    "Alcantarilha, uma das regiões mais pitorescas de todo o Algarve. A transparência da atmosfera que a envolve, o carácter das aldeias, e o mar que junto dela recorta penedias e cava grutas misteriosas, tudo isto faz destas paragens um lugar obrigatório de turismo. Já a estrada que conduz a Alcantarilha, ladeada de searas, hortedos e largas campinas verdejantes repletas de pomares, passando pelos tangerinais de S. Lourenço do Palmeiral e pelo Monte Raposo, entre searas e favais pujantes, é um mimo de paisagem alegre, luminosa e calma.

 

     A aldeia, situada na encosta de uma colina, com o som dos sinos vibrando no ar claro, mergulhada numa luz que a acaricia e doira, é uma verdadeira pérola engastada num verde cinto de arvoredos. Tudo ali parece sorrir e cantar no deslumbramento do sol e fluidez aérea. O asseio é extraordinário. As casinhas alvíssimas, com rodapés e cercaduras de intenso azul celeste, janelinhas, airosas chaminés, beirais recortados e vasos de craveiros sobre muros, inspiram-se nas formas sadiamente tradicionais e recortam-se no ar e na luz com uma deliciosa finura e uma graça ingénua. Nada de mais simples, certamente, e todavia nada de mais tocante como expressão de candura rustica, de lógica decorativa e estrutural, de sujeição espontânea e enternecida às sugestões do ambiente e aos ditames duma estética profundamente pura e harmoniosa. A aldeiazinha parece assim surgir como uma emanação directa da atmosfera que a envolve, como um produto natural do ar e da luz.

 

       Dali se vê também a aldeia de Pera, igualmente muito pitoresca e apinhada sobre um outeiro, largamente exposta ao sul e à viração do mar. Do adro da igreja a vista é bela como da torre de Alcantarilha."

- No Guia de Portugal de 1924 reedição Fundação Calouste Gulbenkian

publicado por blackcrowes às 17:27

Setembro 09 2013

 

 

 

 

 

 

 

 

O Parque da Águas é uma criação da C. M. Odemira com o objectivo da sensibilização para a preservação do ambiente.

É um espaço verde magnífico integrado na Reserva Ecológica Nacional, e é percorrido por uma linha de água afluente do Rio Mira.

Este parque onde impera uma fresquidão fantástica, proveniente da água e da sombra frondosa da sua vegetação cuidada e variada, é um oásis em terras alentejanas. Local perfeito para fazer piqueniques, brincadeiras infantis e até para explorar o percurso educativo existente no local.

publicado por blackcrowes às 15:44
Tags:

Setembro 03 2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Centro de Recuperação do Lobo Ibérico (CRLI) foi criado em 1987 com o objectivo de providenciar um ambiente, em cativeiro, adequado para lobos que não possam viver em liberdade.

O CRLI ocupa 17 hectares de terreno, num arborizado e isolado vale.

Este espaço caracteriza-se por uma boa cobertura vegetal e topografia heterogénea, proporcionando aos lobos residentes bons abrigos e condições de refúgio. Actualmente existem onze cercados no Centro, que ocupam uma área total de 4,49 hectares.

Os lobos podem ser observados em condições únicas, das torres de observação, situadas em pontos estratégicos, com uma vasta vista para diferentes cercados.

Ao mesmo tempo que o CRLI providencia os melhores cuidados aos lobos, proporciona a realização de estudos, sobretudo na área do comportamento social que, associados à investigação realizada na Natureza pelo Grupo Lobo, servem de base para uma campanha de divulgação, que procura informar o público sobre a verdadeira natureza do lobo.

 

A subespécie de lobo que habita a Península Ibérica designa-se cientificamente por Canis lupus signatus e foi descrita por Angel Cabrera em 1907. Outrora distribuindo-se por toda a península, actualmente encontra-se circunscrita às regiões do Centro-Norte e Norte.

 Estima-se que na Península Ibérica, sobrevivam cerca de 2000 lobos, dos quais 300 em território português. Durante o século XIX os lobos eram numerosos em Portugal ocupando todo o território nacional. Contudo, já em 1910 era notório o seu declínio e apesar do actual estatuto de conservação do lobo, os estudos até agora realizados sugerem que a população lupina em Portugal continua em regressão, encontrando-se actualmente confinada à região fronteiriça dos distritos de Viana do Castelo e de Braga, à província de Trás-os-Montes e parte dos distritos de Aveiro, de Viseu e da Guarda. As causas do declínio do lobo são, fundamentalmente, a perseguição directa e o extermínio das suas presas selvagens - veado e corço. O declínio é actualmente agravado pela fragmentação e destruição do habitat e pelo aumento do número de cães assilvestrados.

A perseguição directa movida por pastores e caçadores - caça furtiva com armas de fogo, remoção das crias das tocas, armadilhagem e envenenamento - deve-se à crença generalizada que o lobo ataca o homem e os animais domésticos. A escassez de presas naturais, provocada pela excessiva pressão cinegética sobre os cervídeos e pela destruição do habitat, leva a que, de facto, os lobos por vezes ataquem os animais domésticos. No entanto, em áreas onde as presas naturais abundam, os prejuízos provocados pelo lobo no gado são quase inexistentes. Ao mesmo tempo, pensa-se que presentemente existam centenas de cães abandonados a vaguear pelo país, que competem com o lobo na procura de alimento, sendo provavelmente responsáveis por muitos dos ataques a animais domésticos incorrectamente atribuídos ao lobo. Em relação ao ataque a humanos, existe apenas uma informação comprovada que se refere a um animal com raiva, doença que, felizmente, já há muitos anos se encontra irradicada de Portugal.

O lobo só sobreviverá se lhe proporcionarmos refúgios adequados e alimentação natural (corço, veado, e javali), e aceitarmos que cause algumas baixas nos rebanhos, sendo os pastores indemnizados, sempre que o ataque seja comprovadamente atribuído ao lobo. A reintrodução de cervídeos - veado e corço - é fundamental para a sobrevivência dos nossos últimos Lobos Ibéricos. 

 Informação retirada do site - http://lobo.fc.ul.pt/?page=conteudos/cr_lobo_iberico do GRUPO LOBO

 

Aconselho vivamente a deslocação ao CRLI. Para além de beleza do local a possibilidade única de vermos um dos animais mais fantásticos e incompreendidos da nossa fauna é motivante. Aliado a isto o facto de sabermos que estamos a ajudar este projecto e a dar-lhe força para continuar. Aqui fica através da colocação deste post mais uma ajuda em termos de divulgação... 

 

publicado por blackcrowes às 10:31
Tags:

"O fim de uma viagem é apenas o começo doutra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na Primavera o que se vira no Verão, ver de dia o que se viu de noite. É preciso recomeçar a viagem. Sempre." - Saramago
mais sobre mim
Setembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30


pesquisar
 
Visitas desde Fevereiro 2011
free counters
subscrever feeds
blogs SAPO