Janeiro 25 2011

  

 

 

 

 

 

 

 

Alfama é um verdadeiro labirinto de ruelas tortuosas, de um pitoresco inexcedível, cortadas de becos estreitos como dedos, sobre que se precipitam escadarias lúgubres ou se abrem arcos e postigos, recantos arcaicos, com seus andares de ressalto apoiados a varões oblíquos de ferro ou de madeira, suas empenas que se abrem ao alto, por vezes a fresta quadrada, com balcões de grade ou balaústres, suas janelinhas, poiais floridos de craveiros e seus registos claros de azulejos onde a Virgem se ostenta entre Stº António e São Marçal. De quando em quando as vielas rasgam-se, alcandorando-se a alturas inesperadas, e a vista lava-se então numa nesga do Tejo, debruando ao largo a confusão emaranhada do velho bairro que em baixo mostra os telhados de duas águas. Deve-se ver isto a todas as horas do dia e a todos os dias da semana, para colher em flagrante a nota viva deste bairro que canta as suas empresas na guitarra gemebunda e melancólica.

No primeiro guia de Portugal de 1924 - volume "Lisboa e arredores"

publicado por blackcrowes às 13:43
Tags:

"O fim de uma viagem é apenas o começo doutra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na Primavera o que se vira no Verão, ver de dia o que se viu de noite. É preciso recomeçar a viagem. Sempre." - Saramago
mais sobre mim
Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
19
20
22

23
24
26
27
28
29

30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO